“Sobre a coragem: uma paciente me questionou se todos eram covardes como ela. Me surpreendi com sua autopercepção, pois ela revela uma coragem enorme, enfrentando todos os fatos e, embora com muito medo, acreditando no tratamento, não cegamente, mas conscientemente escolhendo a cada dia o melhor para ela: confiando, entregando, vivendo com toda a intensidade e podendo dividir suas reais angústias com seus entes mais próximos. Eu acho que ela é uma das pessoas mais corajosas que conheço, justamente pelo medo e ansiedade que carrega, mas escolhendo viver o dia a dia da vida como ela se apresenta e acreditando sempre. E sempre sou presenteada, nas consultas e dias de tratamento, com sua presença, com seu lindo look do dia, lágrimas que se convertem em amplos sorrisos e guloseimas que prepara para a equipe. Ela demostra amor e coragem sempre, e eu sou muito grata por ter-nos escolhido para tratá-la.

INCONTÁVEIS VEZES RECEBI FAMILIARES PREOCUPADOS QUE SEUS PAIS OU AVÓS, JAMAIS ACEITARIAM TRATAMENTOS, JAMAIS PODERIAM OUVIR A PALAVRA CÂNCER OU QUIMIOTERAPIA.

O que tenho a dizer às pessoas que apresentam este receio, que levem seus familiares ao oncologista. Não deixem que o medo ou os preconceitos eliminem as chances de um tratamento. O tratamento não depende somente de medicamentos. Ele começa na interação entre o médico e o paciente. A escolha do tratamento é secundária. Vai ser uma consequência dessa interação humana.”

Depoimento (exclusivo para uma paciente) da Dra. Daniela Lessa – Médica Oncologista Clínica – Doutora em Ciências Médicas e Diretora da Oncosinos