Ferramenta que dá suporte ao tratamento do câncer geriátrico é apresentada em Zurique

Recentemente, uma pesquisa realizada no Rio Grande do Sul ganhou atenção dos maiores especialistas do mundo em uma conferência europeia sobre câncer geriátrico. A Sociedade Internacional de Oncologia Geriátrica (SIOG), com sede na Suíça, selecionou o trabalho científico da Oncosinos, de Novo Hamburgo, como um dos quatro mais importantes do ano.

Como único participante brasileiro na Conferência Anual do SIOG de 2020 realizada em Zurique, o médico oncologista Antônio Fabiano Ferreira Filho apresentou a criação do “Pragmatic geriatric evaluation for better câncer treatment of senior patients (PGE)”. Trata-se de um procedimento de Avaliação Geriátrica Global (AGP) que busca indicar as decisões geriátricas mais críticas em pacientes com câncer acima de 60 anos de idade.

Após dois anos de pesquisas e com o objetivo de contornar fatores de resistência, ele e a também oncologista e pesquisadora Daniela Lessa planejaram a ferramenta. Ela é composta de uma combinação específica de testes realizados de forma rápida e que apresenta resultados com aplicação prática imediata, o que contribui para o planejamento e otimização do tratamento dos pacientes.

— Essa população de pacientes frequentemente possui fragilidades diversas e maior risco de complicações relacionadas ao tratamento oncológico. De maneira inversa, alguns pacientes idosos não recebem tratamentos na intensidade necessária devido, pura e simplesmente, a sua idade cronológica, quando na realidade, do ponto de vista fisiológico, estão mais próximos de pacientes mais jovens — explica Fabiano Ferreira Filho.

Segundo ele, como forma de individualizar e melhorar o tratamento desses pacientes, é necessária a Avaliação Geriátrica Global, que torna mais visíveis tanto eventuais fragilidades quanto pontos fortes dos pacientes seniores.

— Temos a possibilidade de planejar tratamentos mais individualizados, com menos efeitos colaterais, mantendo ou aumentando a efetividade dos tratamentos. Indicamos, sempre que possível, que essa avaliação seja realizada antes do início de qualquer forma de tratamento oncológico, seja ele quimioterápico, cirúrgico ou radioterápico — acrescenta.

Novidade deve democratizar o acesso para o benefício de todos

Foram analisados diversos domínios afetados nos pacientes oncológicos e, dessa forma, se obteve um instrumento que captura de forma rápida as informações essenciais para o tratamento. Com o objetivo de beneficiar o maior número possível de pessoas, o processo de avaliação está disponível em diversos idiomas para o uso dos profissionais de saúde e estudantes universitários. Até o momento, a AGP já está disponível em português, inglês, francês e, em breve, estará acessível em alemão, italiano, espanhol e russo.

— A partir dos 60 anos, as pessoas seguem trajetórias distintas e começam a tornar-se muito diferente umas das outras. O PGE consegue avaliar as fragilidades de cada indivíduo e ajuda a detectar o real estado da pessoa. A ferramenta também possui o potencial de economizar milhões de dólares com gastos de saúde em nível mundial, pela possibilidade de diminuição de complicações relacionadas ao câncer e ao seu tratamento — finaliza Fabiano.

Para acessar e conhecer melhor a ferramenta, faça um cadastro no site da Oncosinos.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/