INFORMAÇÕES

O que é a quimioterapia?

A quimioterapia é um dos tratamentos mais usados para combater o câncer, sendo composta por medicações. Ou seja, existem dezenas de diferentes medicações que agem na destruição de células tumorais, que de uma maneira geral recebem o nome de quimioterapia.

A escolha da quimioterapia depende do tipo de tumor, da sua localização, do estágio da doença e das características particulares do estado de saúde do paciente a ser tratado. Pode ser usada uma única medicação quimioterápica ou combinações destes agentes, dependendo de cada caso. A maioria dos quimioterápicos são administrados na veia (endovenosos) ou através de comprimidos (orais).

O medicamento quimioterápico ou anti-neoplásico, como é chamado, deve ser preparado em um ambiente especial, chamado de “capela de fluxo laminar”. Deve ser preparado exclusivamente por um profissional farmacêutico especializado. Esta é uma determinação legal no Brasil, visando garantir a segurança na realização do tratamento. A Oncosinos respeita esta determinação e investe na especialização e atualização da equipe para garantir o melhor tratamento ao nosso paciente. Além da preparação da medicação, o profissional farmacêutico garante que a mesma esteja dentro das normas nacionais e internacionais de qualidade e o melhor meio de acondicionamento do quimioterápico, o que é parte fundamental para o sucesso do tratamento.

Como age a quimioterapia?

A quimioterapia age interferindo no funcionamento das células tumorais, causando sua destruição ou danificando funções importantes para sua perpetuação e multiplicação.

Orientações práticas durante a aplicação da quimioterapia
No dia de tratamento não deve ser feito jejum ou qualquer tipo de restrição alimentar. O paciente deve fazer sua refeição do modo habitual.

Não deixe de tomar as medicações indicadas pelo oncologista para antes ou depois da quimioterapia. Existem medicações importantes para evitar efeitos adversos relacionados ao tratamento. Elas variam de acordo com o tipo de quimioterapia realizada, e qualquer dúvida deve ser tirada com o próprio médico.

Caso sinta algum desconforto durante a aplicação da quimioterapia, informe à enfermeira imediatamente.

A administração da quimioterapia pode ter duração de alguns minutos a horas. Durante este período, você pode escolher alguma atividade para lhe distrair, como ler, ouvir música, conversar. Qualquer dificuldade, chame a enfermeira ou o médico. Na OncosinoS eles estarão sempre perto de você.

A equipe da OncosinoS está preparada para tirar todas as suas dúvidas com relação ao tratamento e à doença. Evite seguir conselhos de outras pessoas, inclusive de outros pacientes, familiares ou amigos, pois, mesmo com a melhor das intenções, a experiência destas pessoas pode não representar o melhor para a sua situação específica.

O que é a Radioterapia?

A radioterapia consiste na utilização de radiações para destruir as células cancerosas. Age no DNA da célula, causando danos que podem levar à morte das células tumorais.

Faz parte do tratamento de diferentes tipos de câncer. Pode ser realizada isoladamente, combinada à quimioterapia ou complementar à cirurgia, dependendo do tipo de tumor, seu estágio clínico e condições específicas de saúde do paciente.

O tratamento radioterápico age a nível local, tendo poucos efeitos no resto do organismo. Costuma afetar diretamente a região irradiada: assim sendo, seus efeitos colaterais dependem da área delimitada no tratamento.

Para proteger as células normais, os médicos radioterapeutas limitam de forma cuidadosa as doses de radiação nos tecidos sadios e distribuem o tratamento em períodos longos de tempo.

Orientações práticas durante o tratamento de radioterapia

  • Uma boa alimentação melhora as condições do paciente para reagir positivamente aos efeitos colaterais, bem como protege o organismo contra o aparecimento de infecções.
  • Procure orientação com o radioterapeuta responsável sobre o eventual uso de hidrantes e protetores solares nas áreas tratadas.
  • Utilize sabonetes neutros para a higiene do corpo. Ao utilizar a toalha, procure não esfregar a pele no local do tratamento, seque apenas utilizando pressão leve.
  • Evite o uso de roupas muito justas, de lã ou tecidos sintéticos diretamente na área do corpo que está recebendo o tratamento de radioterapia.
  • Evite a exposição ao sol sobre o local irradiado.
  • Se houver aumento de temperatura > 37.8 o C (febre), o seu médico deve ser avisado imediatamente, pois este pode ser um sinal de infecção.

Fatos sobre a radioterapia

  • O radioterapeuta é um médico especialista nesta área do tratamento do câncer, com pós-graduação (residência médica) em Radioterapia.
  • A radioterapia é realizada em alguns centros de tratamento do câncer, e requer aparelhos específicos.
  • O tratamento com radioterapia não torna os pacientes emissores de radiação (radioativos)
  • Os tratamentos são realizados normalmente todos os dias, com exceção de sábados e domingos.
  • É importante que você descanse e tenha uma dieta balanceada durante seu tratamento.
  • A pele sobre a área tratada costuma se tornar mais sensível e se irritar facilmente.
  • Os efeitos colaterais do tratamento com radioterapia variam de acordo com a dose e a área do corpo que está sendo tratada.

Cirurgia Oncológica

A cirurgia oncológica é uma subdivisão da cirurgia geral e têm como objetivo o tratamento de tumores sólidos ou outras doenças neoplásicas. A cirurgia oncológica pode ser utilizada no tratamento de tumores gastro-intestinais, ginecológicos, torácicos, tumores endócrinos, sarcomas e melanomas.

Além da terapia cirúrgica específica, o cirurgião oncológico é um profissional que também pode estar envolvido na prevenção, diagnóstico, rehabilitação e acompanhamento dos pacientes com câncer.

Hormonioterapia

Os hormônios são substâncias químicas produzidas por determinados órgãos do corpo chamadas glândulas. Exemplos de glândulas são os ovários, os testículos, e as glândulas supra-renais. Os hormônios possuem as mais diversas ações no organismo, atuando em vários processos fisiológicos. Entretanto, também podem favorecer o crescimento de alguns tipos de células cancerosas, como em casos de câncer de mama, corpo do útero (endométrio) e próstata. Em outros casos, os hormônios podem agir eliminando as células cancerosas, retardando o seu crescimento ou mantendo o tumor em estado de latência.

Devido às influências hormonais em determinados tipos de câncer, a utilização de hormônios ou bloqueadores hormonais é parte importante na terapêutica oncológica.
O tratamento hormonal para o câncer pode incluir a administração de medicações por via oral, intravenosa, intramuscular e/ou subcutânea. No caso de necessidade de supressão hormonal pode-se indicar cirurgia ou radioterapia direcionada para glândulas específicas, a fim de reduzir ou eliminar a produção de hormônios que tenham o potencial de ou estejam estimulando o câncer.

Exemplos de medicações utilizadas na hormonioterapia no tratamento do câncer: Tamoxifeno , Fulvestranto (Faslodex®), Anastrozol (Arimidex®), Letrozol (Femara®), Exemestane (Aromasin®), Megestrol , Goserelina (Zoladex®), Leuprolida (Lupron®), Dietiletilbestrol.

Terapias Alvo e Medicina Molecular

Com a pesquisa contínua e o avanço nas técnicas de análise do DNA, surgiu um ramo da medicina chamado de medicina molecular. A medicina molecular envolve meios de diagnóstico e tratamento, através do entendimento do funcionamento de genes, proteínas e outras moléculas celulares cujas funções podem estar alteradas em doenças como o câncer.

As chamadas Terapias Alvo, no tratamento do câncer, compreendem as substâncias que agem destruindo células tumorais através de moléculas específicas envolvidas no crescimento da célula cancerosa.
Diversos alvos moleculares foram encontrados e incorporados na terapêutica do câncer.
As terapias alvo podem ser classificadas das seguintes maneiras:

  • Anticorpos Monoclonais Estas substâncias, produzidas em laboratórios, reconhecem e se ligam a locais específicos localizados na parte externa das células tumorais (membrana plasmática), impedindo a célula de enviar sinais importantes para sua multiplicação e/ou sobrevivência.
    Exemplos de anticorpos monoclonais são: trastuzumab (Herceptin®), cetuximab (Erbitux®), rituximab (Mabthera®).
  • Inibidores de Angiogênese O termo angiogênese se refere à formação de novos vasos sangüíneos. Muitos tipos de câncer atraem novos vasos sangüíneos para o seu interior, o que lhes permite crescer e se espalhar.  Os inibidores da angiogênese possuem o potencial de diminuir e/ou previnir a formação de novos vasos tumorais.  Um exemplo de inibidor da angiogênese é a medicação chamada bevacizumab (Avastin®).
  • Bloqueadores de Tirosino-Quinase

    As tirosino-quinases são enzimas que se encontram no interior da célula tumoral e são importantes no processo de multiplicação das células cancerígenas. Muitos novos tratamentos têm como mecanismo de ação o bloqueio dessas enzimas. Entre essas novas medicações se encontram: erlotinib (Tarceva®), Gefitinib (Iressa®), Imatinib (Glivec®), Sunitinib (Sutent®), Sorafenib (Nexavar®)
  • Cuidados Paliativos em Oncologia

     É uma abordagem de tratamento que tem como objetivo melhorar a qualidade-de-vida dos pacientes com câncer e seus familiares, influenciando de forma positiva o curso da doença.
    Os cuidados paliativos atuam através da prevenção e do tratamento precoce do desconforto de sintomas relacionados ao câncer, dos efeitos colaterais relacionados ao seu tratamento, além de problemas psicológicos e sociais que possam estar presentes e afetando o paciente e seus familiares. Pode ser utilizado de forma conjunta com outras formas de tratamento do câncer tais como a quimioterapia ou a radioterapia.