A doação de órgãos é um ato de consciência e amor ao próximo. Todos os anos, milhares de vidas são salvas por meio desse gesto.
O transplante é um procedimento cirúrgico em que um órgão ou tecido doente é substituído por um saudável.
Qualquer pessoa pode ser uma doadora de órgãos. Basta ser maior de 18 anos, ter condições adequadas de saúde e ser avaliado por um médico para realização de exames.

Para ser um doador em vida, você pode acessar o site da Aliança Brasileira pela doação de Órgãos e Tecidos (Adote), fazer seu cadastro e download do cartão de doador. Basta acessar o link: http://www.adote.org.br/cadastro_doadores.php.
Além do cadastro, é importante você falar para a sua família que deseja ser um doador de órgãos, para que após a sua morte, os familiares (até segundo grau de parentesco) possam autorizar, por escrito, a retirada dos órgãos.

Quando se pode doar?
A doação de órgãos como rim, parte do fígado e da medula óssea pode ser feita em vida. Para a doação de órgãos de pessoa falecidas, somente após a confirmação do diagnóstico de morte encefálica. Tipicamente, são pessoas que sofreram algum tipo de acidente que provocou um traumatismo craniano (acidente de carro, moto, queda etc.) ou acidente vascular cerebral (derrame) e evoluíram para morte encefálica.

Existem riscos para um doador vivo?
Hoje com os avanços tecnológicos e a capacitação dos profissionais da área médica, os riscos estão cada vez menores. Há o risco associado a qualquer tipo de cirurgia, converse com seu médico sobre esses riscos que variam para cada situação.

Quem paga pelos procedimentos de doação?
O SUS ( Sistema Único de Saúde ).

Referências:

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos
abto.org.br/abtov03/Upload/file/entendadoacao
Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul
cremers.org.br/dowload/doação
Aliança Brasileira pela Doação de Órgãos e Tecidos
adote.org.br/depoimento21 – /cadastro_doadores – /oque_perguntas