A cada ano nos Estados Unidos cerca de 70.000 jovens na faixa dos 20 aos 30 anos recebem um diagnóstico de câncer.

Neste contexto, é importante entendermos que o câncer não acomete apenas um indivíduo, porém afeta também as pessoas de sua família; de suas relações afetivas (cônjuges, namorados e namoradas); de seus amigos e de seus colegas em seu ambiente de trabalho.

Dessa forma, percebemos que muito mais pessoas são afetadas pelo diagnóstico de um jovem com câncer do que as 70.000 iniciais. Nos Estados Unidos, como um todo, calcula-se que este número é de cerca de 3 milhões de pessoas por ano.

Acreditamos que no Brasil, um país com uma grande população de jovens, esses números sejam no mínimo semelhantes.

Os seguintes tipos de câncer são os mais freqüentes entre os adultos jovens:

Linfomas
– Tumores germinativos de testículo e ovário
– Leucemias
– Melanoma (um tipo de tumor de pele)
– Sarcomas de partes moles
– Tumores ósseos
– Tumores de tireóide

Como Oncologistas Clínicos, sabemos que o câncer em um(a) paciente jovem possui características diferentes daquele que ocorre em uma população mais idosa. Este conhecimento e informação é muito importante para se direcionar o tratamento da maneira mais racional e efetiva possível.

Um exemplo já bem definido na literatura médica se refere ao tratamento do câncer de mama inicial em mulheres com menos de 35 anos de idade. Essas pacientes, de acordo com o último Consenso de Saint Gallen, Suíça, de 2005, devem quase que sem exceção, receber tratamento complementar após o tratamento cirúrgico.

A população de jovens com um diagnóstico de câncer se defronta com diversos desafios particularmente próprios dessa faixa etária. Por exemplo, existem questões referentes a possibilidade de gravidez, a possibilidade de manutenção da fertilidade após o tratamento, questões referentes a imagem corporal (perda de cabelo por exemplo) e eventuais mudanças psicológicas tais como: ansiedade, raiva, dificuldade de conciliar o sono e mesmo depressão.

Devido a todos esses desafios enfrentados por um adulto jovem com diagnóstico de câncer, a excelência da Equipe de Oncologistas é um fator fundamental para que se alcancem os melhores índices de cura e bem-estar nestes pacientes.

Fonte: Dr. Antônio Fabiano Ferreira – Oncologista da Oncosinos